Vem aí… Nas garras desse amor bandido

Novo sarau/espetáculo do projeto Poesia com Cachaça, do Grupo ReVerso.

Nas garras desse amor bandido cartaz1 com apoio prefeitura cópia

No próximo dia 19 de agosto, o Grupo ReVerso (Carmélia Cândida, José Roberto Pereira, Marcilene Tavares e Wilsinho da Floresta) volta ao Teatro Municipal Geraldina Campos de Almeida com o projeto “Poesia com cachaça”.

Desta vez, o tema do sarau/espetáculo  — que terá novo repertório, cenário, figurino — será “Nas garras desse amor bandido”, e trará canções clássicas do sertanejo e poemas de autores variados.  Em foco, paixões desenfreadas, amores proibidos, despedidas mal resolvidas, desejos incontroláveis, pensamentos inconfessáveis.

Já conhecido do público pará-minense apreciador da arte e da cultura, o sarau/ espetáculo promovido pelo ReVerso é um convite ao lado divertido e encantado da vida.  E um diferencial do projeto é que o público também pode se integrar ao elenco e participar do sarau, lendo ou dizendo um poema  à sua escolha. No evento, é servida a cachaça que, além de ser patrimônio imaterial no Brasil, é uma referência a poetas boêmios do passado.

O projeto Poesia com cachaça teve início em 2008 e, em 2016, passando a contar também com Wilsinho da Floresta, teve apresentações no Museu Histórico e no Teatro Municipal, com o título “Uma noite na boemia”, todas elas com grande sucesso de público. O Grupo ReVerso trabalha com poesia, música, teatro e contação de histórias.  Além do projeto Poesia com cachaça, tem em seu repertório o espetáculo infantil “Dona Baratinha” e o espetáculo “Histórias em torno do fogo”.

“Nas garras desse amor bandido” propõe ao público uma noite de embriaguez. De arte, de cultura! Um brinde ao amor, à poesia. A tudo, enfim, que completa nossa existência!

 19 de agosto de 2016 –  20 horas – Teatro Municipal Geraldina Campos de Almeida

 Ingressos: R$ 12,00 (antecipado e meia entrada)

R$ 24,00 (inteira)

 Vendas: 

 Brinquelê (Benedito Valadares, 476, telefone: 37-3232-2780) Algar Telecom (Benedito Valadares, 162, telefone 37-3231-9000).

O SOM DAS MINAS: NAS ANOTAÇÕES DE MALLUH – A MÚSICA INSTRUMENTAL MINEIRA É TEMA DO NOVO LIVRO DO ESCRITOR JOSÉ ROBERTO PEREIRA

O que acontecia no universo musical nos anos de 1980? Qual era o som das Minas Gerais nesse período? Como eram os bastidores de um grande show? Que caminhos a música instrumental mineira percorreu? Por onde essa música reverberará?

Esses são apenas alguns dos assuntos abordados no livro O som das Minas: nas anotações de Malluh, do escritor José Roberto Pereira. Trata-se da nova obra do autor, conhecido por suas elogiadas publicações infantojuvenis (As Aventuras da Formiguinha Tonhonhõe, A Joaninha e a Margarida, O Craque/ck), sendo a primeira de não ficção.

Tendo como base o acervo particular da escritora, jornalista e produtora cultural Malluh Praxedes, o livro descortina o cenário musical dos anos de 1980, com destaque para a produção mineira, especialmente a instrumental. Grandes nomes da música são trazidos para perto do leitor, por meio das entrevistas realizadas pela jornalista e bem dispostas na obra pelo autor.

O livro está sendo realizado pela Lei Estadual de Incentivo à Cultura, com patrocínio do Grupo Alterosa. O lançamento do livro acontecerá neste mês, com bate-papo com a presença de José Roberto Pereira e Malluh Praxedes.

18/8 (quinta-feira) – Pará de Minas
Museu Histórico de Pará de Minas – Muspam
Rua Manoel Batista, 51 – Centro
20 horas

24/8 (quarta-feira) – Belo Horizonte
Café com Letras do Centro Cultural Banco do Brasil
Praça da Liberdade, 450 – Funcionários
19 às 21 horas

27/8 (sábado) – Ouro Preto
Casa dos Contos
Rua São José, 12 – Centro
20 horas

31/8 (quarta-feira) – Itaúna
Espaço Cultural Silvio de Mattos
Rua Antônio Corradi, 55 – Centro
20 horas

Preço do Livro: R$ 20,00

Alinhar imagem

José Roberto Pereira e Malluh Praxedes – Foto: Clara Mendes

 

 

Ao sol de uma manhã fria de junho

Estou sentindo falta de escrever. As ideias não me veem ou, se vêem, escapam logo em seguida. Acho que estou cheia demais…  “muito cheia de vazios”, parafraseando Manoel de Barros. Para escrever, tenho que me esvaziar desses vazios.

Tem me faltado tempo, é verdade. Mas falta-me também perspectiva? Ânimo? Vontade? Inspiração? Não sei. Sei que estou assim. E que, quando escrevo, preciso estar só eu comigo mesma, alheia ao resto. E não tenho conseguido.

Nada disso chega a me afligir, de fato. Não tenho obrigação. Nem quero ter. Quero escrever mesmo só quando tiver vontade. A questão é só que às vezes sinto falta…

Junho é um mês frio. Aqui, onde estou agora, parece ainda mais. Nesta manhã gelada, observo as árvores, as plantas, ouço o balanço do vento nas folhas, o canto de passarinhos, conversas distantes… e busco ideias.

Quem sabe comecem a vir de novo?

Sinto falta de personagens virem a mim, de começar a esculpi-los em um enredo e eles, aos poucos, irem criando “vida”, assumindo parte do controle. De ver a história ir tomando outro rumo – o que ela quiser.

Um grupo de passarinhos pousa no pé de hibisco. São muitos. Conto vinte. Têm o peito amarelado. Eles saltitam de um galho para outro. Uns pousam no fio que passa sobre a árvore e depois retornam. Fazem algazarra. Parecem brincar.

Sinto o calor do sol. Tento mirar em sua luz. Presto atenção à canção do vento. O grupo de pássaros se vai.

Não sei se é um recomeço, mas certamente está sendo  uma tentativa.

Penha (Pará de Minas/MG), domingo, 25 de junho de 2016.

Nosso Cristo

Nosso Cristo
                                       Carmélia Cândida

cristo gui torres

                                                                                      Foto: Gui Torres*

E lá está Ele!
Para todos!
Belo e majestoso

A serra é a Sua casa
Pintada de verde
Serpenteada por uma escadaria
Com mirante e espaço para orações

Ele está no topo
Que é o Seu lugar
De lá, embeleza a paisagem
De lá, vela toda a cidade

Seus braços abertos
São para acolher
Sua magnitude, Seu esplendor
São para lembrar que a fé é grandiosa

Em Seu peito
O povo pará-minense
Fundido em Seu coração
Se faz presente

Com 50 anos de história
É um símbolo de nossa cidade
Querido e admirado
Orgulho da nossa gente!

E lá está Ele!
E Ele é nosso!
Nosso Amado Cristo Redentor!

Publicado no livro “Cristo Redentor, 50 Anos de Braços Abertos sobre Pará de Minas”,  coletânea de textos de escritores de Pará de Minas publicada nas comemorações de 50 anos do monumento, em 2013.

  • Disponível em http://pt.db-city.com/Brasil–Minas-Gerais–Par%C3%A1-de-Minas

Conversando sobre poesia com alunos da E.E. Torquato de Almeida

Hoje foi dia de conversar sobre poesia  com os alunos do 5º ano da Escola Estadual Torquato de Almeida . A visita foi parte do Projeto Olimpíadas de Língua Portuguesa, e fui convidada como poeta da comunidade.
Fiquei tão tocada com tudo que resolvi agradecer em versos. Vejam se não tenho razão por estar tão contente!
cartaz agradecimento sem assinatura
Professoras Amanda, Débora e Elisângela, obrigada por todo o cuidado e carinho com o meu trabalho.

 

Histórias em torno do fogo

Uma noite de histórias embaladas por músicas…

O novo trabalho do Grupo ReVerso – Histórias em torno do fogo – estreia no Museu Histórico de Pará de Minas no dia 19 de maio de 2016, na 25ª edição do Projeto Quinta no Museu, compondo a programação da 14ª Semana Nacional dos Museus, promovida pelo IBRAM – Instituto Brasileiro de Museus. Serão apresentados contos da tradição oral e canções do sertanejo de raiz.

O Grupo ReVerso (Pará de Minas/MG) – formado pelos artistas Carmélia Cândida, José Roberto Pereira, Marcilene Tavares e Wilsinho da Floresta – tem seu trabalho voltado para a poesia, a música, a literatura e o teatro. Tem, em seu repertório, o sarau/espetáculo do projeto “Poesia com cachaça”, o espetáculo infantil Dona Baratinha e, agora, este projeto de contação de histórias.

#SemanaNacionaldosMuseus

histórias em torno do fogo

Matéria da TVI, de Pará de Minas, sobre o evento: https://www.youtube.com/watch?v=ei7w67Vikzw

 

Teaser espetáculo Pelos caminhos das rosas vermelhas

O espetáculo estará em cartaz no Teatro Marília, em Belo Horizonte, nos dias 29 e 30 de abril de 2016.

Sensível e emocionante, a peça, fundamentada em pesquisas e em relatos de pessoas que convivem e conviveram com Alzheimer, aborda o tema de forma séria e objetiva, sem cair em didatismos, bem como a dificuldade por parte dos familiares em  aceitar e conviver com a doença, sobrepondo toda a problemática decorrente da doença com ludicidade e arte.

Estamos abertos a convites de instituições que buscam um trabalho consistente e comprometido com o tema, aliando arte e informação. Leve “Pelos caminhos das rosas vermelhas” para seu congresso, seminário, encontros de cuidadores…

Porque só há uma forma de lidar com o Alzheimer…